quarta-feira, 21 de outubro de 2009

DEFINIÇÃO DE SAUDADE


Bom dia amigas... hoje estou mais filosoficamente, existencialmente, talvez tragicamente, romântica...

Somos humanos... todos temos "verdades pétreas"... mas que se modificam com o passar das experiências vividas... estamos aqui para aprender... vejam que lindo exemplo de aprendizado... Um médico renomado e uma criança de 11 anos:

"Artigo do Dr. Rogério Brandão - Médico oncologista
Como médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional (...) "... posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes.
Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.
Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional. Comecei a freqüentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria.
Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer.
Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças. Até o dia em que um anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois longos anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas de químicos e radioterapias. Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes; também vi medo em seus olhinhos; porém, isso é humano!
Um dia, cheguei ao hospital cedinho e encontrei meu anjo sozinho no quarto. Perguntei pela mãe. A resposta que recebi, ainda hoje, não consigo contar sem vivenciar profunda emoção.
" - Tio, disse-me ela, às vezes minha mãe sai do quarto para chorar escondido nos corredores. Quando eu morrer, acho que ela vai ficar com muita saudade. Mas, eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida!"
Indaguei: - E o que morte representa para você, minha querida?
" - Olha tio, quando a gente é pequena, às vezes, vamos dormir na cama do nosso pai e, no outro dia, acordamos em nossa própria cama, não é?"(Lembrei das minhas filhas, na época crianças de 6 e 2 anos, com elas, eu procedia exatamente assim.)
- É isso mesmo.
"- Um dia eu vou dormir e o meu Pai vem me buscar. Vou acordar na casa Dele, na minha vida verdadeira!"
Fiquei "entupigaitado", não sabia o que dizer. Chocado com a maturidade com que o sofrimento acelerou a visão e a espiritualidade daquela criança.
"- E minha mãe vai ficar com saudades, emendou ela."
Emocionado, contendo uma lágrima e um soluço, perguntei: - E o que saudade significa para você, minha querida?
- Saudade é o amor que fica!
Hoje, aos 53 anos de idade, desafio qualquer um a dar uma definição melhor, mais direta e simples para a palavra saudade: é o amor que fica!
Meu anjinho já se foi, há longos anos. Mas, deixou-me uma grande lição que ajudou a melhorar a minha vida, a tentar ser mais humano e carinhoso com meus doentes, a repensar meus valores. Quando a noite chega, se o céu está limpo e vejo uma estrela, chamo pelo "meu anjo", que brilha e resplandece no céu.
Imagino ser ela uma fulgurante estrela em sua nova e eterna casa. Obrigado anjinho, pela vida bonita que teve, pelas lições que me ensinaste, pela ajuda que me deste. Que bom que existe saudade! O amor que ficou é eterno."

As experiências na dor são muito marcantes... sempre existirá evolução na dor, se abrirmos o coração para aprender, para melhorar... assim eu penso e assim tento fazer. O sofrimento, desses quase três anos de tratamento da Heleninha, não será em vão.
Leia mais sobre o assunto AQUI.

Um beijo no coração, Keli.

11 comentários:

guida disse...

Keli,
Sem palavras.
Fike bem
Um grande beijo para voçes.

Elen disse...

Linda demais essa mensagem...

linda mesma

abraços cheirosos

anjoartes disse...

Ola Keli!
Esta mensagem e de deixar sem folego.

Beijos e boa tarde.
Angela

vitoriascroche disse...

Oi Keli, já faz algum tempo que te acompanho, e como mãe sei o que tu sente...tenho uma filha especial, com paralisia cerebral severa, ela usa sonda para se alimentar,usa fraldas,faz uso de várias medicações...não é nada fácil, meu coração fica as vezes tão pequeno,que parece que não vai aguentar tanta dor...somo kardecista e acredito que nada é por acaso,a luta da Diovanna é constante, está sempre com alguma infecção, as vezes o médico não sabe o que fazer, ai como sempre faço, eu digo assim:Deus não esqueçe que ela está nos teus braços.Como se fosse um lembrete mas sei que Deus não precisa de aviso, tudo Ele sabe, tudo Ele pode...estou do teu lado, em pensamento e orações, se tu puder dar um pulinho e conhecer minha filhinha, ficarei muito feliz, aqui arrumei amigas maravilhosas,não tem sido fácil mais não desisto...um grande beijo, Cláudia mãe da Diovanna Vitória

carla fazendo artes disse...

Olá Keli.Fiquei feliz com sua visita.Ao ler esse artigo não pude conter as lágrimas,é muito lindo,comovente e nos faz refletir como vivemos.DEUS com certeza está com vc e sua família.Nada na nossa vida é em vão,nem mesmo o sofrimento.DEUS continuará abençoando vcs sempre.Bjnhspara todos.

Lidi disse...

Chorei...

vitoriascroche disse...

Oi Keli, não fique assim...hoje veio um médico do posto de saude, apenas uma visita de rotina, e me disse o que eu faço para ter uma fisionomia tão alegre...eu disse_sou feliz doutor, pois eu sempre vejo o lado bom das coisas, e aminha filha é esse lado mais que bom é maravilhoso.Então minha querida amada amiga,creio que posso te chamar assim,adoro quando voç~Es me visitam e deixam seus comentários tão carinhosos para mim e para a Diovanna, é isso que me dá mais forças para ser sempre assim alegre e cheia de energia, não se milindre em me visitar, fico muito feliz...obrigada por palavras tão carinhosas e fico muito feliz por Heleninha estar curada com a graça de Deus...Deus te abenções a ti e tua linda família...beijinhos

claudia bonello disse...

Keli q linda mensagem...
Adorei...È incrivel como as coisas ficam mais claras e como aprendemos com a dor...
Q bom q temos vc pra nos fazer refletir certas coisa de nossa vida...

Beijos

Lurdinha disse...

Keli, sem comentários. Te amo
Beijos

Maria Filomena disse...

Keli,
para quem, como eu,
ja pessei duas vezes por esse ...- não sei que nome dar - que consiste em operação, quimioterapias,radioterapia, exames, e mais exames ( câncer de seio duas vezes e câncer de pulmão outra vez), essa história nos dá mais força para continuar a lutar...Estou bem agora, sendo acompanhada, mas não posso descuidar, pois essa doença é matreira, silenciosa...
Obrigada por compartilhar essa tão linda história e acima de tudo a definição de saudade- é o amor que fica -...Beijos e acima de tudo, muita saúde para a tua filha Heleninha e para toda a família, desta amiga de Portugal...
Maria Filomena

Fernanda bordando,pintando e aprendendo disse...

OI Keli...
Venho de vez em quando aqui,pra saber noticias da Heleninha...Moro em Curitiba ,e sempre que passo em frente do hospital Erasto G ,me lembro de vcs...E sempre que lembro,faço uma pequena oração,para que o Senhor lhe dê forças,e ajude sua filhinha a se curar de vez por todas....Nunca deixei nenhum recado pra,talvez por nem sabe ro que te dizer,mas hoje lendo essa msg,me senti encorajada... Se algum dia precisar alguma coisa de mim,qualquero coisa,entre em contato...no meu blog tem meu e mail...
Bjs ....